Notícias

  • LINE-UP Soja: Posição dos navios nos principais portos do Brasil

    26/11 às 18:26 hs

    São Paulo, 26 de Novembro de 2021. Confira a posição dos navios nos principais portos do Brasil no link abaixo: http://news.cma.com.br/lineup/noticia/20211126_Soja_1637958321_1.pdf Copyright...

    Saiba Mais
    X

    LINE-UP Soja: Posição dos navios nos principais portos do Brasil

    26/11 às 18:26 hs

    São Paulo, 26 de Novembro de 2021. Confira a posição dos navios nos principais portos do Brasil no link abaixo: http://news.cma.com.br/lineup/noticia/20211126_Soja_1637958321_1.pdf Copyright 2021 - Grupo CMA

  • ALGODÃO: NY despenca em dia de pessimismo nos mercados com nova variante da

    26/11 às 18:06 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) para o algodão fechou com preços acentuadamente mais baixos nesta sexta-feira. As cotações ...

    Saiba Mais
    X

    ALGODÃO: NY despenca em dia de pessimismo nos mercados com nova variante da

    26/11 às 18:06 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) para o algodão fechou com preços acentuadamente mais baixos nesta sexta-feira. As cotações da pluma em NY despencaram acompanhando o petróleo e outras commodities, assim como bolsas de valores e com o dólar em alta contra outras moedas. O dia foi de pessimismo e de aversão ao risco nos mercados com a preocupação com a nova variante do coronavírus que surgiu na África. Há temores de novas ondas de contágio e restrições que podem ocorrer em países prejudicando as economias locais e a economia global novamente. Com as perdas desta sexta-feira, a semana fechou com o contrato março acumulando uma baixa de 4%. Os contratos com entrega em março/2022 fecharam a 111,78 centavos de dólar por libra-peso, queda de 4,00 centavos, ou de 3,4%. Maio/2022 fechou a 109,93 centavos, baixa de 4,17 centavos, ou de 3,6%. Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2021 - Grupo CMA

  • ALGODÃO: NY ACUMULOU BAIXA DE 4% NESTA SEMANA - CONTRATO MARÇO

    26/11 às 17:54 hs

    Aguarde mais informações ...

    Saiba Mais
    X

    ALGODÃO: NY ACUMULOU BAIXA DE 4% NESTA SEMANA - CONTRATO MARÇO

    26/11 às 17:54 hs

    Aguarde mais informações

  • ALGODÃO: NY DESPENCA ACOMPANHANDO OUTROS MERCADOS

    26/11 às 17:54 hs

    Aguarde mais informações ...

    Saiba Mais
    X

    ALGODÃO: NY DESPENCA ACOMPANHANDO OUTROS MERCADOS

    26/11 às 17:54 hs

    Aguarde mais informações

  • ALGODÃO: NY FECHA COM QUEDA DE 3,4% PARA MARÇO, A 111,78 CTS

    26/11 às 17:54 hs

    Aguarde mais informações ...

    Saiba Mais
    X

    ALGODÃO: NY FECHA COM QUEDA DE 3,4% PARA MARÇO, A 111,78 CTS

    26/11 às 17:54 hs

    Aguarde mais informações

  • AGENDA: Acompanhe os principais eventos do agronegócio na semana que vem

    26/11 às 17:33 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - Acompanhe abaixo os principais eventos ligados ao agronegócio e à economia na semana entre 29 de novembro e 3 de dezembro: -----Segunda-feira (29/11...

    Saiba Mais
    X

    AGENDA: Acompanhe os principais eventos do agronegócio na semana que vem

    26/11 às 17:33 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - Acompanhe abaixo os principais eventos ligados ao agronegócio e à economia na semana entre 29 de novembro e 3 de dezembro: -----Segunda-feira (29/11) - Alemanha: A leitura preliminar do índice de preços ao consumidor de novembro será publicada às 10h pelo Destatis. - A FGV divulga às 8h os dados do Indice Geral de Preços - Mercado (IGP-M) referentes a novembro. - O BC divulga às 8h30min o Relatório Focus com as previsões do mercado para a economia. - Inspeções de exportação semanal dos EUA - USDA, 13hs. - Condições das lavouras dos EUA - USDA, 18hs. ----Terça-feira (30/11) - Japão: A leitura preliminar da produção industrial de outubro será publicada na noite anterior pelo Ministério da Economia, Comércio e Indústria. - Alemanha: A taxa de desemprego de novembro será publicada às 6h pela agência federal de emprego. - Eurozona: A leitura preliminar do índice de preços ao consumidor de novembro será publicada às 7h pela Eurostat. - O IBGE divulga às 9h os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad contínua), que traz a taxa de desocupação referentes a outubro. - Dados sobre as lavouras do Paraná - Deral, na parte da manhã. -----Quarta-feira (1/12) - O IBGE divulga às 9h os dados sobre o índice de preços ao produtor referentes a outubro. - A posição dos estoques de petróleo dos EUA até sexta-feira da semana anterior será publicada às 12h30min pelo Departamento de Energia (DoE). - Balança comercial de novembro no Brasil - Ministério da Economia, 15hs. - EUA: o Livro Bege, relatório com uma avaliação da situação econômica, será publicado às 16h pelo Federal Reserve. -----Quinta-feira (2/12) - Eurozona: O índice de preços ao produtor de outubro será publicado às 7h pela Eurostat. - Eurozona: A taxa de desemprego de outubro será publicada às 7h pela Eurostat. - Exportações semanais de grãos dos EUA - USDA, 10h30min. - Dados de desenvolvimento das lavouras argentinas - Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 15hs. - Dados das lavouras no Rio Grande do Sul - Emater, na parte da tarde. -----Sexta-feira (3/12) - O IBGE divulga às 9h os dados da Pesquisa Industrial Mensal - Produção Industrial referentes a outubro. - Levantamentos semanal sobre o desenvolvimento das lavouras argentinas - Ministério da Agricultura, na parte da manhã. - EUA: O número de empregos criados ou perdidos pela economia (payroll) e a taxa de desemprego referentes a novembro serão publicados às 10h30 pelo Departamento do Trabalho. - Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso - IMEA, na parte da tarde. - Evolução do plantio de soja no Brasil - SAFRAS & Mercado, na parte da tarde. Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2021 - Grupo CMA

  • CÂMBIO: Com protagonismo de nova variante, dólar segue em alta

    26/11 às 16:52 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - Mesmo sem o fôlego da abertura, o dólar segue em alta. O susto inicial da nova variante se foi e a moeda norte-americana perdeu o ímpeto, mas continua s...

    Saiba Mais
    X

    CÂMBIO: Com protagonismo de nova variante, dólar segue em alta

    26/11 às 16:52 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - Mesmo sem o fôlego da abertura, o dólar segue em alta. O susto inicial da nova variante se foi e a moeda norte-americana perdeu o ímpeto, mas continua sendo atriz principal desta sexta-feira. Segundo a analista da Toro Investimentos, Stefany Oliveira, "a primeira reação com a nova variante foi de susto, mas agora o investidor entende que estamos muito mais preparados do que antes, a começar pela vacinação". Oliveira não acredita que nesta sexta os fatores domésticos sejam relevantes: "O dólar é o lugar de fuga quando existe cenário de risco. A protagonista de hoje é a nova variante", enfatiza. De acordo com o chefe da mesa de câmbio da Terra Investimentos, Vanei Nagem, "além da nova variante da Covid, a inflação nos Estados Unidos mostra que o Fed terá de aumentar os juros antes do previsto, talvez no próximo semestre". Nagem acredita que os problemas são tão sérios quanto os externos: "O dólar dificilmente vai ficar abaixo dos R$ 5,30, até reverter a parte fiscal. Até agora ninguém sabe responder se realmente estourou o teto. A regra do jogo mudou e quem garante que não irá mudar novamente?", questiona. Para a economista-chefe da Veedha Investimentos, Camila Abdelmalack, "a nova variante da Covid gerou um aumento da percepção de risco, reforçando a percepção de inflação global, o que postergaria a recuperação da cadeia logística. Isso causa uma valorização do dólar". Por outro lado, o cenário doméstico continua repleto de incertezas, capitaneadas pelos precatórios: "A percepção do mercado para a aprovação da PEC mudou, é de que o planalto não tem votos suficientes para a votação da próxima semana", pontua Abdelmalack. Por volta das 15h38 (horário de Brasília), o dólar comercial subia 0,25%, cotado a R$ 5,5790 para venda. No mercado futuro, o contrato da moeda norte-americana com vencimento em dezembro de 2021 avançava 0,22%, cotado a R$ 5.582,00. As informações são da Agência CMA. Revisão: Gabriel Nascimento (gabriel.antunes@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2021 - Grupo CMA

  • ALGODÃO: Nova York cai com força seguindo derrocada do petróleo

    26/11 às 13:25 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) para o algodão opera com cotações em forte baixa. Neste momento, os contratos com entrega em mar...

    Saiba Mais
    X

    ALGODÃO: Nova York cai com força seguindo derrocada do petróleo

    26/11 às 13:25 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - A Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE Futures) para o algodão opera com cotações em forte baixa. Neste momento, os contratos com entrega em março/2022 têm cotação de 111,51 centavos de dólar por libra-peso, com desvalorização de 4,27 centavo, ou de 3,68%. Maio/2022 recua 3,62%, a 109,96 centavos. O mercado cai seguindo a derrocada do petróleo, em dia marcado por forte aversão aos ativos de maior risco diante dos temores com o avanço de uma nova variante do coronavírus. Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) - Agência SAFRAS Copyright 2021 - Grupo CMA

  • SEMANA ALGODÃO: Feriado nos EUA tira liquidez no mercado doméstico

    26/11 às 13:00 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - O mercado brasileiro de algodão teve uma semana de calmaria em termos de negócios. A pouca oferta de lotes de qualidade prejudicou a movimentação, des...

    Saiba Mais
    X

    SEMANA ALGODÃO: Feriado nos EUA tira liquidez no mercado doméstico

    26/11 às 13:00 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - O mercado brasileiro de algodão teve uma semana de calmaria em termos de negócios. A pouca oferta de lotes de qualidade prejudicou a movimentação, destacam os analistas de SAFRAS & Mercado. "A proximidade do mês de dezembro vem pressionando o mercado e diminuindo o ritmo de comercialização. Por outro lado, os preços seguem firmes, o que deixa indústria mais cautelosa e que vem para o mercado apenas para repor estoque", explicam. Na parte final da semana, sem a referência na bolsa nova-iorquina, o mercado doméstico teve ainda menos liquidez. No final da quinta, 25, a base do CIF do polo industrial paulista ficou indicada a R$ 6,20/lb, recuo de -0,48%. No mesmo período do mês anterior teve uma alta de 4,20% e na comparação com o ano passado teve uma alta de 60,62%. No FOB exportação do porto de Santos/SP, a fibra teve um avanço de 0,7%, cotada a 109,01 cents/lb. A pluma brasileira contra o contrato mar/22 negociado na Ice Futures US, ficou negociada a -9,4% inferior, contra -9,5% inferior do dia anterior. Se comparada a uma semana atrás a pluma estava com indicação de 9,30% inferior, enquanto no mês anterior a indicação era de 3,3% inferior. O prêmio do produto brasileiro no porto de Santos continua negativo, encerrando a quinta-feira (25) a -6,77 cents de dólar por libra-peso (c/lb), oscilando em -11,16 c/lb em relação à semana anterior. Enquanto ao mês anterior ficou em -3,90 c/lb e no ano passado a -0,06 c/lb. Plantio A projeção de semeadura do algodão prevê que grande parte das áreas serão plantadas dentro da janela ideal em Mato Grosso. O adiantamento na semeadura da soja (safra 21/22) tende a favorecer a janela de cultivo do algodão 2a safra - considerada até 31/01, segundo o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea). Diante do atual cenário, a projeção da curva de semeadura da fibra revela que mais de 82% das áreas previstas poderão ser semeadas até o fim de janeiro. Com o maior percentual de área cultivada dentro do período ideal, o risco com a perda da produtividade esperada diminui, como foi visto nas safras 18/19 e 19/20, que apresentaram os maiores rendimentos. Por esses motivos, o cotonicultor está otimista quanto à próxima safra de algodão e com o preço da pluma futura atrativo, a decisão de semear a fibra está mais favorável. Por outro lado, a concorrência por área na "safrinha", devido à valorização do milho, ainda pode ser um fator de peso na decisão do produtor em semear algodão em algumas regiões, o que será melhor avaliado nas próximas estimativas da safra 21/22. Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2021 - Grupo CMA

  • ALGODÃO: NY CAI ACOMPANHANDO FORTE QUEDA NAS COTAÇÕES DO PETRÓLEO

    26/11 às 12:48 hs

    Aguarde mais informações ...

    Saiba Mais
    X

    ALGODÃO: NY CAI ACOMPANHANDO FORTE QUEDA NAS COTAÇÕES DO PETRÓLEO

    26/11 às 12:48 hs

    Aguarde mais informações

  • ALGODÃO: POSIÇÃO MARÇO/22 COTADA A 112,48 CTS LB EM NY (-2,48%)

    26/11 às 12:43 hs

    Aguarde mais informações ...

    Saiba Mais
    X

    ALGODÃO: POSIÇÃO MARÇO/22 COTADA A 112,48 CTS LB EM NY (-2,48%)

    26/11 às 12:43 hs

    Aguarde mais informações

  • AGRICULTURA: Brasil tem protagonismo na baixa emissão de carbono - Mapa

    26/11 às 12:06 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - Durante agendas nesta quinta-feira (25) em Campo Grande (MS), a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) reforçou o protagonismo...

    Saiba Mais
    X

    AGRICULTURA: Brasil tem protagonismo na baixa emissão de carbono - Mapa

    26/11 às 12:06 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - Durante agendas nesta quinta-feira (25) em Campo Grande (MS), a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) reforçou o protagonismo brasileiro na produção agropecuária com baixa emissão de carbono. Com destaque para o Planos ABC+, ABC e programas como Águas do Agro, a ministra defendeu o produtor brasileiro como "o maior ambientalista do país, porque ele conserva dentro da sua propriedade". "Ainda existe muito desconhecimento em torno da nossa agropecuária moderna. Precisamos avançar, precisamos prosseguir, claro! Mas já temos muito. Tanto que na COP muita gente se calou diante dos exemplos que nossa agricultura foi lá mostrar e comprovar com números, trabalhos científicos e indicadores que estão sendo feitos", enfatizou ao comentar a participação brasileira na Conferência do Clima. No Seminário de Negócios de Carbono e Sustentabilidade, promovido pela Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar de Mato Grosso do Sul (Semagro) em parceria com a Wetlands International Brasil, ainda foi discutida a implementação de créditos de carbono no mercado produtor brasileiro. "O nosso desafio e também nossa oportunidade é capacitar, cada vez mais, o nosso produtor para ele utilizar todas essas tecnologias e crédito para que ele possa implementá-las. O produtor só irá implementar se, além da eficiência, ele tiver ganhos econômicos", reforçou Tereza Cristina. Para a ministra, a questão do pagamento pelos serviços ambientais foi destravada na COP26, em Glasgow, e terá o Brasil novamente como protagonista no comércio e na regulação dos pagamentos por serviços ambientais por carbono. "Cada vez mais teremos que estar atentos e trabalhando de forma moderna olhando para frente. Essa página de meio ambiente não tem mais discussão, é uma realidade. Ou somos protagonistas ou teremos que ir a reboque do que já está acontecendo no mundo". Além do destaque para a sustentabilidade do agronegócio brasileiro, a ministra fez uma apresentação do cenário atual do setor na 24 Conferência Nacional da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale). Ela destacou que, com foco no pequeno agricultor e na agricultura familiar, a gestão do Mapa trabalha em políticas públicas para incentivar o desenvolvimento de tecnologias, em parceria com a Embrapa, para que chegue a todos os produtores a partir de uma forte assistência técnica, que hoje conta com, cada vez mais, conectividade em áreas rurais. Convênio A ministra assinou nesta quinta-feira um termo para a realização de convênio entre o Mapa e a Semagro para a aquisição de veículos e equipamentos com o intuito de fortalecer a cadeia produtiva de castanha do Baru e Bocaiuva. Serão beneficiados produtores da agricultura familiar, extrativista e comunidades tradicionais, totalizando 1.210 famílias, distribuídas em oito municípios: Anastácio, Bodoquena, Bonito, Corumbá, Jardim, Miranda, Nioaque e Porto Murtinho. O apoio financeiro será de R$ 1,2 milhão por parte do Ministério da Agricultura e R$ 125 mil, a título de contrapartida, por parte do estado de Mato Grosso do Sul. Com informações da assessoria de imprensa do Mapa. Revisão: Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2021 - Grupo CMA

  • EMPRESAS: Bunge pretende comprar participação da Pantanal Agrícola

    26/11 às 12:01 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - A Bunge, uma das líderes globais em agronegócio, alimentos e ingredientes, e a revenda de insumos Pantanal Agrícola assinaram memorando de entendimento...

    Saiba Mais
    X

    EMPRESAS: Bunge pretende comprar participação da Pantanal Agrícola

    26/11 às 12:01 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - A Bunge, uma das líderes globais em agronegócio, alimentos e ingredientes, e a revenda de insumos Pantanal Agrícola assinaram memorando de entendimento no qual a Bunge manifesta a intenção de obter participação minoritária na companhia, que possui operações na região Centro-Oeste do Brasil. A Pantanal, além de revender insumos como defensivos, sementes e fertilizantes, também viabiliza operações de barter, possibilitando que produtores rurais realizem o pagamento dos insumos com grãos. "Com a experiência da Pantanal, reforçaremos nossa operação de barter e, em contrapartida, planejamos investir na infraestrutura de armazenagem de grãos da empresa, aumentando seu potencial de crescimento na região", explica Roberto Marcon, diretor de Originação da Bunge. Com 20 anos de história, a Pantanal atua em 64 cidades nos estados do Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Goiás, apoiada por uma equipe de mais de 180 colaboradores e 11 lojas de insumos agrícolas. "Esta combinação tem grande potencial de estreitarmos ainda mais nossa parceria comercial com a Bunge e de obtermos benefícios mútuos. Contar com a expertise da Bunge em gestão de riscos e capacidade logística poderá maximizar nossas oportunidades no mercado de grãos", explica Jonis Asmann, diretor executivo da Pantanal Agrícola. O fechamento do negócio está condicionado ao cumprimento de condições precedentes acordadas pelas partes, inclusive a aprovação da transação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE). As informações são da assessoria de imprensa da Bunge. Revisão: Gabriel Nascimento (gabriel.antunes@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2021 - Grupo CMA

  • ALGODÃO: Venda líquida semanal dos EUA fica em 196.900 fardos - 2021/22

    26/11 às 11:50 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - As vendas líquidas norte-americanas de algodão (upland), referentes à temporada 2021/22, iniciada em 1o de agosto, ficaram em 196.900 fardos na semana e...

    Saiba Mais
    X

    ALGODÃO: Venda líquida semanal dos EUA fica em 196.900 fardos - 2021/22

    26/11 às 11:50 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - As vendas líquidas norte-americanas de algodão (upland), referentes à temporada 2021/22, iniciada em 1o de agosto, ficaram em 196.900 fardos na semana encerrada em 11 de novembro. Houve aumento de 44% sobre a semana anterior e de 3% sobre a média de quatro semanas. O maior importador foi a China, com 58.500 fardos. Para 2022/23, foram mais 46.200 toneladas. As informações são do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2021 - Grupo CMA

  • ALGODÃO: VENDAS SEMANAIS 2022/23 DOS EUA FICAM EM 46.200 FARDOS

    26/11 às 11:35 hs

    Aguarde mais informações ...

    Saiba Mais
    X

    ALGODÃO: VENDAS SEMANAIS 2022/23 DOS EUA FICAM EM 46.200 FARDOS

    26/11 às 11:35 hs

    Aguarde mais informações

  • ALGODÃO: VENDAS SEMANAIS 2021/22 DOS EUA FICAM EM 196.000 FARDOS

    26/11 às 11:35 hs

    Aguarde mais informações ...

    Saiba Mais
    X

    ALGODÃO: VENDAS SEMANAIS 2021/22 DOS EUA FICAM EM 196.000 FARDOS

    26/11 às 11:35 hs

    Aguarde mais informações

  • ALGODÃO: NY despenca com sentimento de aversão ao risco por nova variante

    26/11 às 11:31 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - O algodão opera com preços em forte queda na sessão eletrônica da Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE). Na retomada dos negócios após o feriado d...

    Saiba Mais
    X

    ALGODÃO: NY despenca com sentimento de aversão ao risco por nova variante

    26/11 às 11:31 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - O algodão opera com preços em forte queda na sessão eletrônica da Bolsa de Mercadorias de Nova York (ICE). Na retomada dos negócios após o feriado de Ação de Graças, o mercado é pressionado fortemente pelo sentimento de aversão ao risco que contamina os mercados de commodities e inflacionários com a descoberta de uma nova variante de coronavírus na África do Sul. O mercado aguarda as vendas líquidas semanais norte-americanas de algodão. Os contratos com vencimento em março/22 operam a 112,49 centavos de dólar por libra-peso, baixa de 3,33 centavos, ou 2,87%, em relação ao fechamento anterior. Na quarta-feira (24), o mercado teve uma sessão de ajustes técnicos e de busca de consolidação. Há uma pressão em linhas gerais com as recentes altas do dólar frente a outras moedas, o que torna o ativo algodão mais caro para investidores estrangeiros. O mercado também observa os altos e baixos do petróleo. Recentes subidas do petróleo garantem suporte, embora o petróleo tenha caído nesta quarta-feira. Os contratos com entrega em março/2022 fecharam a 115,78 centavos de dólar por libra-peso, ganho de 0,12 centavo, ou de 0,1%. Maio/2022 fechou a 114,10 centavos, estável. Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2021 - Grupo CMA

  • ALGODÃO: Plantio da safra 2021/22 atinge 37% na Argentina - Ministério

    26/11 às 09:29 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - A semeadura de algodão na Argentina na temporada 2021/2022 está estimada em 37% até o dia 25 de novembro, informou o Ministério da Agroindústria da Ar...

    Saiba Mais
    X

    ALGODÃO: Plantio da safra 2021/22 atinge 37% na Argentina - Ministério

    26/11 às 09:29 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - A semeadura de algodão na Argentina na temporada 2021/2022 está estimada em 37% até o dia 25 de novembro, informou o Ministério da Agroindústria da Argentina. Em igual período do ano passado, o plantio estava em 25%. Na semana anterior, o percentual era de 37%. A área para 2021/22 está projetada em 485,685 mil hectares, ante 410,010 mil hectares na temporada anterior. Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2021 - Grupo CMA

  • ALGODÃO: PLANTIO DA SAFRA 2021/22 ATINGE 37% NA ARGENTINA - MINISTÉRIO

    26/11 às 09:21 hs

    Aguarde mais informações ...

    Saiba Mais
    X

    ALGODÃO: PLANTIO DA SAFRA 2021/22 ATINGE 37% NA ARGENTINA - MINISTÉRIO

    26/11 às 09:21 hs

    Aguarde mais informações

  • FERTILIZANTES:Conab avalia impacto de restrições internacionais no comércio

    26/11 às 08:46 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - O mercado internacional de fertilizantes tem gerado preocupação em relação ao abastecimento nacional desses insumos. No entanto, o volume de importaç...

    Saiba Mais
    X

    FERTILIZANTES:Conab avalia impacto de restrições internacionais no comércio

    26/11 às 08:46 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - O mercado internacional de fertilizantes tem gerado preocupação em relação ao abastecimento nacional desses insumos. No entanto, o volume de importações no Brasil continuou recorde no mês de outubro e já está consolidado como o maior da série, conforme destaca o Boletim Logístico da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), publicação mensal com dados sobre o mercado de frete de grãos, bem como informações relevantes sobre a logística do agronegócio brasileiro. A preocupação do mercado em relação ao abastecimento de fertilizantes vem do fato de a China e a Rússia terem anunciado restrições às exportações, sendo este último o principal país fornecedor para o Brasil. Mesmo assim, o volume de importação de fertilizantes no país bateu em outubro a marca histórica de 33,8 milhões de toneladas, caracterizando um maior investimento na safra atual, bem como indicação de um aumento de área plantada das principais commodities nacionais, como soja e milho. Segundo o Boletim, o atual cenário mundial pode criar mais preocupação para o abastecimento para os próximos meses e, talvez, para o próximo ano. No entanto, o governo brasileiro já iniciou tratativas com o governo e empresas russas no intuito de garantir a regularidade no fornecimento de fertilizantes. Seguindo o ritmo atual, nos próximos meses o país pode chegar a importar mais de 35 milhões de toneladas destes insumos, principalmente pelo fato de os produtores estarem capitalizados e incentivados ao investimento no plantio, apesar da elevação significativa dos custos dos adubos. O Boletim Logístico traz como exemplo o estado de Mato Grosso. O principal produtor de milho, soja e algodão do país importou, de janeiro a outubro, 6,6 milhões de toneladas, um incremento de 35,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. Os fretes, na maioria das rotas pesquisadas, seguem em baixa, tendo em vista o período de entressafra das principais praças produtoras, o que diminui o interesse pela movimentação de cargas de grãos. A expectativa é de que haja elevação dos preços quando se iniciar a colheita de soja, a qual se espera um volume recorde de produção, bem como em função dos impactos dos aumentos nos combustíveis. Movimentação de estoques Em relação à movimentação de estoques da Conab, a publicação informa, dentre outros temas, que houve continuação das contratações de transporte para movimentação de cestas de alimentos amparadas pelo TED n 08/2020, que objetiva distribuir cestas de alimentos a públicos em situação de insegurança alimentar devido à Covid-19. As informações partem da assessoria de imprensa da Conab. Revisão: Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2021 - Grupo CMA

  • AGENDA: Acompanhe os principais eventos do agronegócio na semana

    26/11 às 07:59 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - Acompanhe abaixo os principais eventos ligados ao agronegócio e à economia na semana entre 22 e 26 de novembro: -----Segunda-feira (22/11) - China...

    Saiba Mais
    X

    AGENDA: Acompanhe os principais eventos do agronegócio na semana

    26/11 às 07:59 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - Acompanhe abaixo os principais eventos ligados ao agronegócio e à economia na semana entre 22 e 26 de novembro: -----Segunda-feira (22/11) - China: o Banco do Povo da China (Pboc, o banco central do país) divulga sua decisão de política monetária. - O BC divulga às 8h30min o Relatório Focus com as previsões do mercado para a economia. - Inspeções de exportação semanal dos EUA - USDA, 13hs. - Balança comercial das três primeiras semanas de novembro no Brasil - Ministério da Economia, 15hs. - Condições das lavouras dos EUA - USDA, 18hs. ----Terça-feira (23/11) - Japão: O mercado de ações do país permanece fechado em razão de um feriado. - Dados sobre as lavouras do Paraná - Deral, na parte da manhã. -----Quarta-feira (24/11) - EUA: A segunda leitura do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre de 2020 será publicada às 10h30 pelo Departamento do Comércio. - A posição dos estoques de petróleo dos EUA até sexta-feira da semana anterior será publicada às 12h30min pelo Departamento de Energia (DoE). - EUA: A ata da reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de novembro será publicada às 16h. -----Quinta-feira (25/11) - Alemanha: A leitura revisada do Produto Interno Bruto (PIB) de terceiro trimestre de 2021 será publicada às 4h pelo Destatis. - Eurozona: A ata da decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) de outubro será divulgada às 9h30. - Feriado nos EUA - Dia de Ação de Graças. - O IBGE divulga às 9h os dados sobre o Indice Nacional de Preços ao Consumidor - 15 (IPCA 15) referentes a novembro. - Dados de desenvolvimento das lavouras argentinas - Bolsa de Cereais de Buenos Aires, 15hs. - Dados das lavouras no Rio Grande do Sul - Emater, na parte da tarde. -----Sexta-feira (26/11) - Exportações semanais de grãos dos EUA - USDA, 10h30min. - Levantamentos semanal sobre o desenvolvimento das lavouras argentinas - Ministério da Agricultura, na parte da manhã. - O Ministério da Economia divulga os dados sobre os empregos criados ou perdidos pela economia (Caged) em outubro. - Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso - IMEA, na parte da tarde. - Evolução do plantio de soja no Brasil - SAFRAS & Mercado, na parte da tarde. Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2021 - Grupo CMA

  • AGENDA: Acompanhe os principais eventos de hoje no agronegócio

    26/11 às 07:59 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - Acompanhe abaixo os principais eventos ligados ao agronegócio e à economia na sexta-feira: - Exportações semanais de grãos dos EUA - USDA, 10h30min....

    Saiba Mais
    X

    AGENDA: Acompanhe os principais eventos de hoje no agronegócio

    26/11 às 07:59 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - Acompanhe abaixo os principais eventos ligados ao agronegócio e à economia na sexta-feira: - Exportações semanais de grãos dos EUA - USDA, 10h30min. - Levantamentos semanal sobre o desenvolvimento das lavouras argentinas - Ministério da Agricultura, na parte da manhã. - O Ministério da Economia divulga os dados sobre os empregos criados ou perdidos pela economia (Caged) em outubro. - Dados de desenvolvimento das lavouras do Mato Grosso - IMEA, na parte da tarde. - Evolução do plantio de soja no Brasil - SAFRAS & Mercado, na parte da tarde. Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2021 - Grupo CMA

  • BOM DIA: Agência SAFRAS inicia transmissão

    26/11 às 07:55 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - A equipe da Agência SAFRAS deseja-lhe bons negócios no dia de hoje. O noticiário agroeconômico da Agência SAFRAS é transmitido de segunda a sexta-fe...

    Saiba Mais
    X

    BOM DIA: Agência SAFRAS inicia transmissão

    26/11 às 07:55 hs

    Porto Alegre, 26 de novembro de 2021 - A equipe da Agência SAFRAS deseja-lhe bons negócios no dia de hoje. O noticiário agroeconômico da Agência SAFRAS é transmitido de segunda a sexta-feira, das 7hs às 20hs. Antes de qualquer decisão, consulte nosso serviço. Agência SAFRAS Editor-chefe: Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) Jornalistas: Arno Baasch (arno@safras.com.br), Gabriel Nascimento (gabriel.antunes@safras.com.br), Fábio Rubenich (fabio@safras.com.br), Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br), Rodrigo Ramos (rodrigo@safras.com.br). Equipe Operacional: (operacional@safras.com.br) Carlos Eugenio M. Soares (Carlos.soares@safras.com.br) e Luis Paulo Severo (Luis@safras.com.br) Redação: Rua Mostardeiro, 322/8o andar CEP: 90.430-000-Porto Alegre/RS Telefone: (51) 3290 9200 www.safras.com.br Copyright 2021 - Grupo CMA

  • MERCADO ALGODÃO: Dia foi de fraca liquidez e preços estáveis no Brasil

    25/11 às 19:13 hs

    Porto Alegre, 25 de novembro de 2021 - Sem a referência na bolsa nova-iorquina, o mercado doméstico de algodão teve um dia de pouca liquidez. As cotações ficaram dentro do mesmo patamar. H...

    Saiba Mais
    X

    MERCADO ALGODÃO: Dia foi de fraca liquidez e preços estáveis no Brasil

    25/11 às 19:13 hs

    Porto Alegre, 25 de novembro de 2021 - Sem a referência na bolsa nova-iorquina, o mercado doméstico de algodão teve um dia de pouca liquidez. As cotações ficaram dentro do mesmo patamar. Houve alguns pedidos na Região Sudeste em torno de R$ 6,20 por libra, mas com poucos produtores oferecendo a fibra. No final do dia, a base do CIF do polo industrial paulista ficou indicado a R$ 6,20/lb recuo de -0,48%. No FOB exportação do porto de Santos/SP a fibra teve um avanço de 0,7% cotada a 109,01 cents/lb. A pluma brasileira contra o contrato mar/22 negociado na Ice Futures US, ficou negociada a -9,4% inferior, contra -9,5% inferior do dia anterior. Se comparada a uma semana atrás a pluma estava com indicação de -9,30% inferior, enquanto no mês anterior a indicação era de -3,3% inferior. O prêmio do produto brasileiro no porto de Santos continua negativo, encerrou a quinta-feira (25) a -6,77 cents de dólar por libra-peso (c/lb), oscilando em -11,16 c/lb em relação a semana anterior. Enquanto ao mês anterior ficou em -3,90 c/lb e no ano passado a -0,06 c/lb. CÂMBIO O dólar comercial encerrou a sessão em baixa de 0,53%, negociado a R$ 5,5650 para venda e a R$ 5,5630 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,5480 e a máxima de R$ 5,5980. Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2021 - Grupo CMA

  • LINE-UP Petróleo e químicos: Posição dos navios nos principais portos do Brasil

    25/11 às 19:06 hs

    São Paulo, 25 de Novembro de 2021. Confira a posição dos navios nos principais portos do Brasil no link abaixo: http://news.cma.com.br/lineup/noticia/20211125_PetroQuimicos_1637874313_1.pdf ...

    Saiba Mais
    X

    LINE-UP Petróleo e químicos: Posição dos navios nos principais portos do Brasil

    25/11 às 19:06 hs

    São Paulo, 25 de Novembro de 2021. Confira a posição dos navios nos principais portos do Brasil no link abaixo: http://news.cma.com.br/lineup/noticia/20211125_PetroQuimicos_1637874313_1.pdf Copyright 2021 - Grupo CMA

  • ALGODÃO: Mercado calmo e com preços firmes. Saiba mais (áudio)

    25/11 às 16:51 hs

    Porto Alegre, 25 de novembro de 2021 - Acompanhe no comentário do jornalista Dylan Della Pasqua os destaques do mercado brasileiro de algodão nesta semana: https://soundcloud.com/safras-me...

    Saiba Mais
    X

    ALGODÃO: Mercado calmo e com preços firmes. Saiba mais (áudio)

    25/11 às 16:51 hs

    Porto Alegre, 25 de novembro de 2021 - Acompanhe no comentário do jornalista Dylan Della Pasqua os destaques do mercado brasileiro de algodão nesta semana: https://soundcloud.com/safras-mercado/mercado-de-algodao-tem-precos-firmes-no-br asil-entenda Copyright 2021 - Grupo CMA

  • ALGODÃO: Brasil prospecta parceria com indústria têxtil do Irã - Abrapa

    25/11 às 14:51 hs

    Porto Alegre, 25 de novembro de 2021 - Mais um mercado se abre ao algodão brasileiro. Com a indústria têxtil aquecida, o Irã identifica no Brasil um importante fornecedor não apenas de soj...

    Saiba Mais
    X

    ALGODÃO: Brasil prospecta parceria com indústria têxtil do Irã - Abrapa

    25/11 às 14:51 hs

    Porto Alegre, 25 de novembro de 2021 - Mais um mercado se abre ao algodão brasileiro. Com a indústria têxtil aquecida, o Irã identifica no Brasil um importante fornecedor não apenas de soja e milho, mas também da pluma. O interesse foi formalizado esta semana, em uma agenda de negócios que reuniu a Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa), a Associação Nacional de Exportadores de Algodão (Anea), a Embaixada do Brasil em Teerã e empresas têxteis iranianas. Atualmente, não há exportação direta de algodão do Brasil para o Irã, mas há potencial para a parceria. O mercado têxtil iraniano está em expansão e hoje a estimativa é de que as importações sejam de 120 mil toneladas da pluma por ano, o que posiciona o país entre os dez maiores importadores de algodão no mundo. Já o Brasil é o quarto maior produtor mundial da fibra, ficando atrás apenas da India, China e Estados Unidos. Ao longo de 2021, os brasileiros se tornaram o segundo maior exportador mundial do produto. As exportações brasileiras para o Irã se ancoram principalmente em soja em grão, farelo de soja e milho. Esse comércio movimenta anualmente mais de U$ 1,05 bilhão e é um motivo a mais para a aproximação com os cotonicultores. "No Brasil, quem produz algodão também cultiva soja e milho, porque fazemos uma sucessão de culturas ao longo do ano. O agricultor que está exportando grãos para o Irã também pode embarcar a pluma. Essa sinergia pode ser ainda maior se inserirmos a ureia nos negócios", observou o presidente da Abrapa, Júlio Cézar Busato. Desde 2019, o Brasil passou a ter também no Irã um relevante fornecedor de ureia, insumo usado na fabricação de fertilizantes. Em 2021, de janeiro a agosto, os iranianos responderam por 4,5% do volume total de ureia importada pelo Brasil. No ano passado, foram o quarto maior fornecedor, com 7% de market share. "A operação de barter (permuta) entre ureia e algodão é uma opção real para ampliarmos esse comércio bilateral", afirmou o embaixador do Brasil em Teerã, Laudemar Gonçalves de Aguiar Neto. O cenário é considerado positivo pelos empresários iranianos. "Nossos principais fornecedores hoje são o Uzbequistão e a India, mas queremos ampliar a parceria com o Brasil, de quem já compramos muitas commodities", pontuou Mostafa Navesi, executivo da trading Ariya Tejarat Sedeh Co. China e Estados Unidos, segundo e terceiro maiores produtores mundiais de algodão, não exportam para o Irã. "Esta é uma boa hora para o Brasil ocupar essa fatia de mercado, pois tanto o Uzbequistão como a India estão priorizando o consumo interno da fibra e direcionando a exportação para fios e tecidos. Por isso, nos interessamos pelo algodão brasileiro, pois precisamos da matéria-prima para abastecermos nossa indústria têxtil", analisou Ahmad Ghasabi, representante da Khoy Textile Factories. Ciente dos desafios logísticos atuais, os exportadores brasileiros de algodão partem agora para o diagnóstico de experiências positivas de comércio de outros produtos entre Irã e Brasil. "Vamos identificar as oportunidades existentes com as empresas que já mantêm relação comercial com o Irã para benchmarking", afirmou o conselheiro da Anea, Marco Antonio Néia. O detalhamento fitossanitário e o levantamento dos protocolos exigidos pelo Irã nas importações serão realizados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). "Nosso foco é apoiar a viabilização das exportações do algodão brasileiro", afirmou Ellen Laurindo, auditora do ministério, que participou da reunião. O evento foi realizado em formato online pelo Cotton Brazil, programa desenvolvido pela Abrapa em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex Brasil) para promover o algodão brasileiro nos mercados internacionais, principalmente asiático. A iniciativa também recebe apoio da Anea. As informações partem da assessoria de imprensa da Abrapa. Revisão: Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2021 - Grupo CMA

  • CÂMBIO: Dólar cai em meio a IPCA-15 e feriado nos Estados Unidos

    25/11 às 12:43 hs

    Porto Alegre, 25 de novembro de 2021 - O dólar opera em leve queda. Em dia de feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos, a liquidez é menor. No cenário doméstico, o Indice Nacional de...

    Saiba Mais
    X

    CÂMBIO: Dólar cai em meio a IPCA-15 e feriado nos Estados Unidos

    25/11 às 12:43 hs

    Porto Alegre, 25 de novembro de 2021 - O dólar opera em leve queda. Em dia de feriado de Ação de Graças nos Estados Unidos, a liquidez é menor. No cenário doméstico, o Indice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) (+1,17) levemente acima das expectativas (+1,13%) também foi bem recebido pelo mercado. Por volta das 11h31 (horário de Brasília), o dólar comercial caía 0,08%, cotado a R$ 5,5900 para venda. No mercado futuro, o contrato da moeda norte-americana com vencimento em dezembro de 2021 recuava 0,32%, cotado a R$ 5.595,00. Para o economista-chefe do Banco Alfa, Luis Otavio Leal, "a alta do IPCA-15 reforça, junto com o discurso do (presidente do Banco Central, BC, Roberto) Campos Neto, que o BC irá manter o ritmo de aumento da Selic em 1,5 ponto percentual". Leal ressalta, porém, que os problemas fiscais não devem acabar tão cedo: "Assim que resolver a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios, vai voltar a questão do orçamento de 2022. Lembrando que no próximo teremos eleições". O economista observa que estes pontos ainda podem gerar volatilidade. De acordo com a equipe de analistas da Ouro Preto, "aparentemente o dólar está seguindo o movimento global (index caindo cerca de 0,20%)". Apesar dos dados de inflação medido pelo IPCA-15 não tenham sido bons, o mercado não ficou estressado porque veio levemente acima das expectativas", pontua a Ouro Preto. Embora os dados sejam ruins, a Ouro Preto acredita que isso pode impactar o aumento da Selic (taxa básica de juros), a ser divulgado em dezembro: "O mercado estava monitorando isso de perto porque pode ser um sinalizador do que o Comitê de Política Monetária (Copom) pode fazer na próxima reunião", projeta. As informações são da Agência CMA. Revisão: Gabriel Nascimento (gabriel.antunes@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2021 - Grupo CMA

  • AGROPECUÁRIA: Câmara debate modernização de concessão de crédito rural

    25/11 às 12:01 hs

    Porto Alegre, 25 de novembro de 2021 - A Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados discute na próxima terça-feira (30) o Projeto de L...

    Saiba Mais
    X

    AGROPECUÁRIA: Câmara debate modernização de concessão de crédito rural

    25/11 às 12:01 hs

    Porto Alegre, 25 de novembro de 2021 - A Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara dos Deputados discute na próxima terça-feira (30) o Projeto de Lei 10499/18, que moderniza as regras para a concessão de crédito rural. Segundo o autor da proposta, deputado Covatti Filho (PP-RS), a legislação atual impede que as operações de crédito rural usem recursos de autenticação digital. Um exemplo é a exigência de assinatura de próprio punho nos instrumentos de crédito. O debate foi sugerido pelo Pedro Lupion (DEM-PR). Ele explica que o projeto unifica as diversas cédulas de crédito rural existentes em um único instrumento, também intitulado Cédula de Crédito Rural (CCR), e dispensa o seu registro em cartório. Além disso, no caso de prorrogação do vencimento das operações de crédito rural, o projeto permite a lavratura de termo aditivo. Foram convidados para debater o assunto, entre outros, representantes dos ministérios da Agricultura e da Economia, do Banco Central, da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA); da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB) e da Febraban. As informações são da Agência Câmara de Notícias. Revisão: Gabriel Nascimento (gabriel.antunes@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2021 - Grupo CMA

  • DEFENSIVOS: Área tratada cresce 8,7% no 3T21 - Sindiveg

    25/11 às 08:53 hs

    Porto Alegre, 25 de novembro de 2021 - A área tratada com defensivos agrícolas cresceu 8,7% no terceiro trimestre de 2021 em comparação com o mesmo período do ano anterior, informa o Sindi...

    Saiba Mais
    X

    DEFENSIVOS: Área tratada cresce 8,7% no 3T21 - Sindiveg

    25/11 às 08:53 hs

    Porto Alegre, 25 de novembro de 2021 - A área tratada com defensivos agrícolas cresceu 8,7% no terceiro trimestre de 2021 em comparação com o mesmo período do ano anterior, informa o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg). (*) No total, 209,3 milhões de hectares foram tratados no período contra 192,4 milhões de hectares no 3o trimestre de 2020: aumento de 16,8 milhões ha. A soja foi o produto com maior área tratada no período (32% do total), seguida por pastagem (20%), trigo (12%), milho (10%), cana (7%) e demais cultivos. "Esse resultado decorre de uma série de fatores, com destaque para o início do plantio de verão e o esperado aumento da safra 2021/2022, além da expectativa de preços firmes das principais commodities", explica Julio Borges, presidente do Sindiveg, considerando o recente levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que projeta a próxima safra de grãos em 288,6 milhões de toneladas: +14% que a colheita de 2020/2021 (252,7 milhões t). Em volume, os defensivos aplicados no 3o trimestre atingiram 154,6 mil toneladas, ante 145,1 mil toneladas em igual período de 2020 (+6,6%). Entre os principais segmentos de produtos, verificou-se crescimento de 14% no uso de fungicidas (de 12,8 mil t para 14,5 mil t), 12% no uso de inseticidas (de 14,8 mil t para 16,5 mil t), de 7% no uso de tratamento de sementes (1,7 mil t para 1,8 mil t) e 4% no uso de herbicidas (de 104,8 mil t para 109,3 mil t). Os dados foram encomendados pelo Sindiveg à Spark Consultoria Estratégica. O valor de mercado dos defensivos agrícolas aplicados chegou a US$ 1,7 bilhão, com elevação de 21,7% sobre julho a setembro de 2020 (US$ 1,4 bilhão). Destaque para a soja, que aumentou sua participação de 24% para 26% do total, chegando a US$ 435,1 milhões. Também houve elevação na participação do milho (8% para 9%), trigo (8% para 9%), feijão (4% para 5%) e algodão (2% para 3%). A cana-de-açúcar, por outro lado, diminuiu participação em três pontos percentuais (de 21% para 18%), atingindo US$ 303,5 milhões, enquanto hortifrúti passou de 11% para 10%. Esse índice inclui o lucro dos distribuidores e desconta as vendas para estoque. "O uso de modernas tecnologias de proteção das culturas e controle de pragas é indispensável para o Brasil cumprir o seu papel de grande produtor e fornecedor global de alimentos, contribuindo para o aumento da oferta interna e das exportações agrícolas, além de maior geração de renda e de empregos no campo. A expectativa de crescimento da próxima safra é uma ótima notícia para todos os elos da cadeia produtiva, mas é importante destacar que o crescimento de área requer mais atenção dos agricultores aos desafios fitossanitários, que não são poucos e estão sempre se renovando", complementa Julio Borges. Escassez e custo de matérias-primas O presidente do Sindiveg valoriza o crescimento da área tratada no 3 trimestre, porém expressa preocupação em relação ao cenário global, "que é instável e preocupa bastante, devido à escassez de matérias-primas importadas, elevação dos custos e, especialmente, falta de garantia de entrega de insumos pela China, nosso principal fornecedor". "O Sindiveg está em alerta sobre a elevação dos custos de matérias-primas importadas e os problemas de logística. Especialmente nas últimas semanas, temos enfrentado dificuldades para recebimento de importantes insumos. A entidade e todas as indústrias associadas trabalham incansavelmente para equacionar a situação o mais rápido possível, para evitar eventual falta de insumos, mas o cenário é extremamente preocupante", explica Julio Borges. (*) Metodologia O cálculo de área tratada resulta da multiplicação da área cultivada em hectares pelo número de aplicações e, ainda, pelo número de produtos formulados usados em cada aplicação. O estudo encomendado pelo Sindiveg à Spark Consultoria Estratégica inclui análises exclusivas de dados de mercado que tomam por base entrevistas feitas com mais de 18 mil agricultores de toda a fronteira agrícola nacional. As informações partem da assessoria de imprensa do Sindiveg. Revisão: Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2021 - Grupo CMA

Tel.: +55(31) 3292-3155 | contato@souzalimacorretora.com.br

Av. Raja Gabáglia 2.000, sala 327 Torre 1 Estoril/ Belo Horizonte - MG, Brasil / CEP: 30494-170