Notícias

  • PETRÓLEO: Futuros fecham em alta com dados de emprego nos EUA reacendendo esperança de demanda

    08/08 às 17:24 hs

    Porto Alegre, 08 de agosto de 2022 - Os preços dos contratos futuros de petróleo fecharam em alta superior a 1%, com os dados de emprego dos Estados Unidos reacendendo a esperança de uma demand...

    Saiba Mais
    X

    PETRÓLEO: Futuros fecham em alta com dados de emprego nos EUA reacendendo esperança de demanda

    08/08 às 17:24 hs

    Porto Alegre, 08 de agosto de 2022 - Os preços dos contratos futuros de petróleo fecharam em alta superior a 1%, com os dados de emprego dos Estados Unidos reacendendo a esperança de uma demanda alta, à medida que outros números da China também pareceram animadores. "O relatório de empregos destacou o quão forte a economia permanece, embora os traders agora estejam cada vez mais nervosos com o aperto mais agressivo do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), que pode levar a economia a uma recessão mais pra frente", afirmam analistas da Oanda. No domingo, a China também surpreendeu os mercados com um crescimento mais rápido do que o esperado nas exportações. A China, o maior importador de petróleo do mundo, trouxe 8,79 milhões de barris por dia (bpd) de petróleo em julho, acima da mínima de quatro anos em junho, mas ainda 9,5% menos do que um ano antes, mostraram dados alfandegários. Na Europa, as exportações russas de petróleo e derivados continuaram a fluir antes de um embargo iminente da União Europeia, que entrará em vigor em 5 de dezembro. Na semana passada, o Banco da Inglaterra alertou para uma recessão prolongada no Reino Unido. Em termos de produção dos EUA, as empresas de energia reduziram na semana passada o número de plataformas de petróleo, na primeira queda em 10 semanas. Analistas do Goldman Sachs disseram acreditar que o argumento para preços mais altos do petróleo continua forte, com o mercado permanecendo em um déficit maior do que o esperado nos últimos meses. O preço do contrato do petróleo WTI negociado na Nymex com entrega para setembro subiu 1,74%, cotado a US$ 90,76 o barril. Já o preço do contrato do Brent negociado na plataforma ICE, com entrega para outubro avançou 1,55%, cotado a US$ 96,65 o barril. As informações partem da Agência CMA. Revisão: Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) - Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • CÂMBIO: Dólar fecha em queda, impactado por alta das commodities e apetite global ao risco

    08/08 às 17:18 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - O dólar comercial fechou em queda de 1,06%, cotado a R$ 5,1130. O real foi beneficiado com o saldo de US$ 101,3 bilhões da balança comercial chinesa de julho...

    Saiba Mais
    X

    CÂMBIO: Dólar fecha em queda, impactado por alta das commodities e apetite global ao risco

    08/08 às 17:18 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - O dólar comercial fechou em queda de 1,06%, cotado a R$ 5,1130. O real foi beneficiado com o saldo de US$ 101,3 bilhões da balança comercial chinesa de julho (as projeções eram de US$ 90 bilhões) que impulsionou o valor das commodities, e pelo movimento de estabilização dos treasuries norte-americanos. Segundo o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno, "existe otimismo pela estabilização dos treasuries, além de uma agenda fraca de indicadores, o que está dando um respiro ao mercado". Rostagno destaca que os dados favoráveis chineses valorizam as commodities e as moedas ligadas a elas: "O real vai na esteira deste movimento", observa. Para o head de análise macroeconômica da GreenBay Investimentos, Flávio Serrano, "o movimento é de risk on, com a recuperação no preço das commodities. O cenário internacional aponta para uma valorização das emergentes e o dólar está voltando para o patamar justo, que é cerca de R$ 5,10". De acordo com o boletim da Ajax Capital, "em semana de dados de inflação nos Estados Unidos, que podem validar apostas mais agressivas no ciclo de alta de juros do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), mercados seguem escalando o muro das incertezas, com commodities e bolsas em alta, apoiados pelas quedas nas taxas de juros, com os investidores precificando que a recessão que se aproxima será suficiente para controlar a elevada inflação atual". A Ajax destaca que o real segue o movimento dos seus pares emergentes ligados às commodities, e se valoriza neste início de sessão. Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) - Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • CÂMBIO: Dólar fecha em baixa de 1,06%, cotado a R$ 5,1130 para venda

    08/08 às 17:05 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - O dólar comercial encerrou a sessão em baixa de 1,06%, negociado a R$ 5,1130 para venda e a R$ 5,1110 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana osci...

    Saiba Mais
    X

    CÂMBIO: Dólar fecha em baixa de 1,06%, cotado a R$ 5,1130 para venda

    08/08 às 17:05 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - O dólar comercial encerrou a sessão em baixa de 1,06%, negociado a R$ 5,1130 para venda e a R$ 5,1110 para compra. Durante o dia, a moeda norte-americana oscilou entre a mínima de R$ 5,1030 e a máxima de R$ 5,1500. Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) - Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • CÂMBIO: DÓLAR FECHA COM BAIXA DE 1,06%, COTADO A R$ 5,1130 NA VENDA

    08/08 às 17:02 hs

    Aguarde mais informações ...

    Saiba Mais
    X

    CÂMBIO: DÓLAR FECHA COM BAIXA DE 1,06%, COTADO A R$ 5,1130 NA VENDA

    08/08 às 17:02 hs

    Aguarde mais informações

  • AGRICULTURA: Indice de preços da FAO cai pelo quarto mês consecutivo em julho

    08/08 às 16:13 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - O indicador de preços globais dos alimentos (FFPI) da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) somou 140,9 pontos em julho, q...

    Saiba Mais
    X

    AGRICULTURA: Indice de preços da FAO cai pelo quarto mês consecutivo em julho

    08/08 às 16:13 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - O indicador de preços globais dos alimentos (FFPI) da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) somou 140,9 pontos em julho, queda de 8,6% (13,3 pontos) contra junho, marcando o quarto declínio consecutivo, mas ainda permanecendo 16,4 pontos, ou 13,1%, acima do nível do mesmo mês do ano passado, puxado pelo impacto da invasão da Ucrânia, adversidades climáticas e altos custos de transporte e produção. Conforme a FAO, o declínio em julho foi o mais acentuado desde outubro de 2008, pressionado por quedas significativas nos preços dos óleos vegetais e nos cereais, enquanto os índices de açúcar, lácteos e carnes também caíram, mas em menor proporção. Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) - Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • AGROPECUÁRIA: Indenizações de seguro rural atingiram R$ 7,7 bilhões no primeiro semestre de 2022

    08/08 às 15:57 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - As companhias seguradoras habilitadas no Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Map...

    Saiba Mais
    X

    AGROPECUÁRIA: Indenizações de seguro rural atingiram R$ 7,7 bilhões no primeiro semestre de 2022

    08/08 às 15:57 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - As companhias seguradoras habilitadas no Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), pagaram R$ 7,7 bilhões em indenizações aos produtores rurais entre janeiro e junho de 2022, o que representa um crescimento nominal de 352% sobre o valor de R$ 1,7 bilhão pago no mesmo período de 2021. Se comparado ao ano anterior, o valor pago no primeiro semestre deste ano já supera o valor total pago em 2021, que foi de R$ 5,4 bilhões. Os dados foram publicados pela Superintendência de Seguros Privados (Susep). O diretor do Departamento de Gestão de Riscos do Mapa, Pedro Loyola, ressalta que os números mostram a importância do seguro rural e reforçam a necessidade de fortalecimento do PSR. Iniciamos o ano de 2022 com um orçamento de R$ 990 milhões para apoiar a contratação das apólices em todo o país, porém já solicitamos uma suplementação de R$ 710 milhões para o Programa, pois os preços dos principais produtos segurados, como a soja e o milho, aumentaram significativamente. Além disso, o custo das apólices também sofreu reajuste devido a alta sinistralidade observada nas últimas safras. Na semana passada, a Junta de Execução Orçamentária (JEO) do governo aprovou parte da demanda solicitada (R$ 200 milhões), porém ainda será preciso aprovar normativa suplementar para efetivar a liberação do recurso. De acordo com o Loyola, o Mapa continuará buscando o valor total da suplementação solicitado. Com os R$ 990 milhões teremos apenas 8 milhões de hectares segurados, muito menor que os 14 milhões cobertos em 2021. O PSR necessita de R$ 1,7 bilhão para 2022. Além disso, para a Lei Orçamentária Anual de 2023 a meta é buscar R$ 2 bilhões. Contratação O produtor que tiver interesse em contratar o seguro rural deve procurar um corretor ou uma instituição financeira que comercialize apólice de seguro rural. Atualmente, 16 seguradoras estão habilitadas para operar no PSR. O seguro rural é destinado aos produtores pessoa física ou jurídica, independente de acesso ao crédito rural. A subvenção econômica concedida pelo Ministério da Agricultura pode ser pleiteada por qualquer pessoa física ou jurídica que cultive ou produza espécies contempladas pelo Programa. Para mais informações sobre o PSR, faça o download do aplicativo. Basta acessar para Android e para IOS. A partir de 2022 o percentual de subvenção ao prêmio será fixo em 40% para todas as culturas/atividades, exceto para a soja, cujo percentual será fixo em 20%.Essa regra vale para qualquer tipo de produto e cobertura, conforme regras do PSR. As informações partem da assessoria de imprensa do Mapa. Revisão: Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) - Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • CÂMBIO: Mercado se anima com resultados chineses e valoriza moedas ligadas às commodities, como o real

    08/08 às 15:45 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - O dólar cai e tem rumo definido. A alta das commodities, impulsionadas pelo saldo da balança comercial chinesa, que foi de US$ 101,3 bilhões em julho, e a es...

    Saiba Mais
    X

    CÂMBIO: Mercado se anima com resultados chineses e valoriza moedas ligadas às commodities, como o real

    08/08 às 15:45 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - O dólar cai e tem rumo definido. A alta das commodities, impulsionadas pelo saldo da balança comercial chinesa, que foi de US$ 101,3 bilhões em julho, e a estabilização dos treasuries norte-americanos geram um clima de maior apetite ao risco no mercado global e beneficia especialmente as moedas ligadas às commodities. Segundo o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno, "existe otimismo pela estabilização dos treasuries, além de uma agenda fraca de indicadores, o que está dando um respiro ao mercado". Rostagno destaca que os dados favoráveis chineses valorizam as commodities e as moedas ligadas a elas: "O real vai na esteira deste movimento", observa. Para o head de análise macroeconômica da GreenBay Investimentos, Flávio Serrano, "o movimento é de risk on, com a recuperação no preço das commodities. O cenário internacional aponta para uma valorização das emergentes e o dólar está voltando para o patamar justo, que é cerca de R$ 5,10". De acordo com o boletim da Ajax Capital, "em semana de dados de inflação nos Estados Unidos, que podem validar apostas mais agressivas no ciclo de alta de juros do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), mercados seguem escalando o muro das incertezas, com commodities e bolsas em alta, apoiados pelas quedas nas taxas de juros, com os investidores precificando que a recessão que se aproxima será suficiente para controlar a elevada inflação atual". A Ajax destaca que o real segue o movimento dos seus pares emergentes ligados às commodities, e se valoriza neste início de sessão. Há pouco, o dólar comercial caía 1,14%, cotado a R$ 5,1090 para venda. No mercado futuro, o contrato da moeda norte-americana com vencimento em setembro de 2022 recuava 1,09%, cotado a R$ 5.146,00. As informações partem da Agência CMA. Revisão: Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) - Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • FERTILIZANTES: Importações somam 695,8 mil toneladas em agosto - Secex

    08/08 às 15:31 hs

    São Paulo, 8 de agosto de 2022 - As importações de fertilizantes do Brasil envolveram US$ 562,5 milhões em agosto (5 dias úteis), com média diária de US$ 112,5 milhões. A quantidade total ...

    Saiba Mais
    X

    FERTILIZANTES: Importações somam 695,8 mil toneladas em agosto - Secex

    08/08 às 15:31 hs

    São Paulo, 8 de agosto de 2022 - As importações de fertilizantes do Brasil envolveram US$ 562,5 milhões em agosto (5 dias úteis), com média diária de US$ 112,5 milhões. A quantidade total de fertilizantes importada pelo país ficou em 695,8 mil toneladas, com média de 139,16 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 808,40. Em relação a agosto de 2021, houve alta de 57,3% no valor médio diário da importação, perda de 29,2% na quantidade média diária importada e valorização de 122,1% no preço médio. Os dados são do Ministério da Economia e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior. Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • FERTILIZANTES: Importações somam 695,8 mil toneladas em julho - Secex

    08/08 às 15:22 hs

    São Paulo, 8 de agosto de 2022 - As importações de fertilizantes do Brasil envolveram US$ 562,5 milhões em agosto (5 dias úteis), com média diária de US$ 112,5 milhões. A quantidade total ...

    Saiba Mais
    X

    FERTILIZANTES: Importações somam 695,8 mil toneladas em julho - Secex

    08/08 às 15:22 hs

    São Paulo, 8 de agosto de 2022 - As importações de fertilizantes do Brasil envolveram US$ 562,5 milhões em agosto (5 dias úteis), com média diária de US$ 112,5 milhões. A quantidade total de fertilizantes importada pelo país ficou em 695,8 mil toneladas, com média de 139,16 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 808,40. Em relação a agosto de 2021, houve alta de 57,3% no valor médio diário da importação, perda de 29,2% na quantidade média diária importada e valorização de 122,1% no preço médio. Os dados são do Ministério da Economia e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior. Dylan Della Pasqua (dylan@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • CARNES: Exportação de aves atinge 105,352 mil t em agosto - Secex

    08/08 às 15:20 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - As exportações de carne de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas do Brasil renderam US$ 224,337 milhões em agosto (5 dias ú...

    Saiba Mais
    X

    CARNES: Exportação de aves atinge 105,352 mil t em agosto - Secex

    08/08 às 15:20 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - As exportações de carne de aves e suas miudezas comestíveis, frescas, refrigeradas ou congeladas do Brasil renderam US$ 224,337 milhões em agosto (5 dias úteis), com média diária de US$ 44,867 milhões. A quantidade total exportada pelo país chegou a 105,352 mil toneladas, com média diária de 21,070 mil toneladas. O preço médio da tonelada ficou em US$ 2.129,40. Em relação a agosto de 2021, houve alta de 60,1% no valor médio diário, ganho de 32,1% na quantidade média diária e avanço de 21,1% no preço médio. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio e Serviços e foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior. Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • ECONOMIA: Balança tem superávit de US$ 1,236 bi na 1a semana de agosto

    08/08 às 15:06 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - Até a 1º Semana de Agosto/2022, comparado a Agosto/2021, as exportações cresceram 17,1% e somaram US$ 7,24 bilhões. As importações cresceram 35,2% e tota...

    Saiba Mais
    X

    ECONOMIA: Balança tem superávit de US$ 1,236 bi na 1a semana de agosto

    08/08 às 15:06 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - Até a 1º Semana de Agosto/2022, comparado a Agosto/2021, as exportações cresceram 17,1% e somaram US$ 7,24 bilhões. As importações cresceram 35,2% e totalizaram US$ 6,01 bilhões. Assim, a balança comercial registrou superávit de US$ 1,236 bilhões, com queda de -29,0%, e a corrente de comércio aumentou 24,7%, alcançando US$ 13,25 bilhões. No acumulado Janeiro até 1º Semana de Agosto/2022, em comparação a Janeiro/Agosto 2021, as exportações cresceram 18,8% e somaram US$ 201,49 bilhões. As importações cresceram 30,5% e totalizaram US$ 160,37 bilhões. Como consequência destes resultados, a balança comercial apresentou superávit de US$ 41,13 bilhões , com queda de -12,0%, e a corrente de comércio registrou aumento de 23,7%, atingindo US$ 361,86 bilhões. As informações são do Ministério da Economia. Rodrigo Ramos (rodrigo@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • ECONOMIA: NO ACUMULADO DE 2022, BALANÇA TEM SUPERÁVIT DE US$ 41,13 BI

    08/08 às 15:02 hs

    Aguarde mais informações ...

    Saiba Mais
    X

    ECONOMIA: NO ACUMULADO DE 2022, BALANÇA TEM SUPERÁVIT DE US$ 41,13 BI

    08/08 às 15:02 hs

    Aguarde mais informações

  • ECONOMIA: BALANÇA TEM SUPERÁVIT DE US$ 1,236 BI ATÉ 1 SEMANA DE AGOSTO

    08/08 às 15:01 hs

    Aguarde mais informações ...

    Saiba Mais
    X

    ECONOMIA: BALANÇA TEM SUPERÁVIT DE US$ 1,236 BI ATÉ 1 SEMANA DE AGOSTO

    08/08 às 15:01 hs

    Aguarde mais informações

  • GRÃOS: Mato Grosso ganha destaque na tecnologia de armazenagem

    08/08 às 14:36 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - Principal estado produtor de grãos do país, Mato Grosso ainda sofre com perdas na armazenagem diante das condições climáticas desafiadoras da região. Segu...

    Saiba Mais
    X

    GRÃOS: Mato Grosso ganha destaque na tecnologia de armazenagem

    08/08 às 14:36 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - Principal estado produtor de grãos do país, Mato Grosso ainda sofre com perdas na armazenagem diante das condições climáticas desafiadoras da região. Segundo a Associação dos Produtores de Soja e Milho (Aprosoja - MT), o estado tem um déficit de quase 50% de armazenagem. Mas tem mantido o crescimento na produção, o que faz empresas de tecnologia de armazenagem olharem com atenção para o estado, como é o caso da Procer Agrointeligência de Pós-Colheita. As altas temperaturas da região são um dos principais complicadores para o armazenamento. "É de conhecimento que a maior parte dos danos mecânicos causados à massa de grãos provém da utilização de temperaturas elevadas no processo de secagem, em que a qualidade e o comportamento dos grãos durante a armazenagem dependem muito desta fase do beneficiamento. É nesse setor que queremos inovar ainda mais e diminuir os pontos fracos da secagem", explica o co-CEO da Procer, Murilo G. Schneider. O déficit da armazenagem é uma realidade brasileira. Hoje, somente 14% das fazendas do Brasil possuem armazéns ou silos nas propriedades. No Canadá, esse percentual chega a 85% e nos, Estados Unidos, a 65%, segundo o Boletim Logístico da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). "Um maior investimento na armazenagem traria um grande impacto nas perdas qualitativas e quantitativas de produtos, logística, além de potencializar e preservar os lucros", afirma Murilo. Outro fator que precisa ser revisto no país está no fato de que a armazenagem ainda é manual em boa parte das unidades. "O mercado já oferece tecnologias de hardware, software e automação para mensurar e classificar os fatores qualitativos dos produtos agrícolas, que contribuem para diminuição dos gastos com energia elétrica e expurgos, por exemplo, além de dar liberdade para o produtor negociar a safra a um preço mais rentável. A tecnologia ajuda a gerenciar a unidade de maneira automatizada e inteligente, proporcionando benefícios", acrescenta o co-CEO da Procer. Com as soluções atuais, 4% do grão armazenado e corretamente monitorado deixa de ser desperdiçado. Com informações da assessoria de imprensa. Revisão: Pedro Carneiro (pedro.carneiro@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • CÂMBIO: Dólar acelera ritmo de queda, puxado por commodities e risk on

    08/08 às 14:26 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - O dólar acelerou o ritmo de queda e ensaia firmar direção. A atmosfera de maior apetite global ao risco e a alta das commodities fortalecem a moeda brasileir...

    Saiba Mais
    X

    CÂMBIO: Dólar acelera ritmo de queda, puxado por commodities e risk on

    08/08 às 14:26 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - O dólar acelerou o ritmo de queda e ensaia firmar direção. A atmosfera de maior apetite global ao risco e a alta das commodities fortalecem a moeda brasileira. Para o head de análise macroeconômica da GreenBay Investimentos, Flávio Serrano, "o movimento é de risk on, com a recuperação no preço das commodities. O cenário internacional aponta para uma valorização das emergentes e o dólar está voltando para o patamar justo, que é cerca de R$ 5,10". De acordo com o boletim da Ajax Capital, "em semana de dados de inflação nos Estados Unidos, que podem validar apostas mais agressivas no ciclo de alta de juros do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), mercados seguem escalando o muro das incertezas, com commodities e bolsas em alta, apoiados pelas quedas nas taxas de juros, com os investidores precificando que a recessão que se aproxima será suficiente para controlar a elevada inflação atual". A Ajax destaca que o real segue o movimento dos seus pares emergentes ligados às commodities, e se valoriza neste início de sessão. Por volta das 14h18 (horário de Brasília), o dólar comercial caía 0,96%, cotado a R$ 5,1180 para venda. No mercado futuro, o contrato da moeda norte-americana com vencimento em setembro de 2022 recuava 0,98%, cotado a R$ 5.152,00. As informações são da Agência CMA. Revisão: Sara Lane (sara.silva@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • FERTILIZANTES: Preocupação de recessão global leva à piora do IPCF

    08/08 às 13:27 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - O Indice de Poder de Compra de Fertilizantes (IPCF) de julho fechou em 1,85, uma alta em relação a junho (1,69). O aumento é consequência da preocupaç...

    Saiba Mais
    X

    FERTILIZANTES: Preocupação de recessão global leva à piora do IPCF

    08/08 às 13:27 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - O Indice de Poder de Compra de Fertilizantes (IPCF) de julho fechou em 1,85, uma alta em relação a junho (1,69). O aumento é consequência da preocupação de recessão global, com indicadores de crescimento reduzidos da economia chinesa e alta na inflação norte-americana. Isso têm contribuído com a aversão ao risco, que favorece o aumento do dólar que, em julho, valorizou cerca de 6% em relação à moeda brasileira. Estes fatores levaram a uma queda no valor das commodities agrícolas, pressionando o indicador. A redução de preços foi registrada, principalmente, no algodão e na soja. A recuperação das cotações no fim do mês, por problemas climáticos nos Estados Unidos, que podem gerar quebra na safra de soja, não foi suficiente para recuperar a perda mensal. O custo dos fertilizantes diminuiu em julho, puxado pelo nitrogênio. Entendendo o IPCF O IPCF é divulgado mensalmente pela Mosaic Fertilizantes e consiste na relação entre indicadores de preços de fertilizantes e de commodities agrícolas. Uma relação menor que 1,0 indica que os fertilizantes estão mais acessíveis do que no mesmo período em 2017, e uma relação maior que 1,00 significa que os adubos estão menos acessíveis em comparação com o mesmo período. O cálculo do IPCF leva em consideração as principais lavouras brasileiras: soja, milho, açúcar, etanol e algodão. As informações são da assessoria de imprensa. Yasmim Borges (yasmim.borges@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • MERCADO EUROPA: Ações fecham em alta após dados econômicos positivos

    08/08 às 13:25 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - Os principais índices de ações do mercado europeu fecharam o pregão desta segunda-feira em alta, com investidores reagindo a uma série de dados econômicos...

    Saiba Mais
    X

    MERCADO EUROPA: Ações fecham em alta após dados econômicos positivos

    08/08 às 13:25 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - Os principais índices de ações do mercado europeu fecharam o pregão desta segunda-feira em alta, com investidores reagindo a uma série de dados econômicos positivos que reduziram os temores de uma recessão global. Na Europa, o índice de sentimento econômico Sentix de agosto para a zona do euro subiu levemente em relação ao mês anterior, apesar de ainda apontar para uma alta probabilidade de recessão em todo o bloco. Já na China, as exportações surpreenderam positivamente. As exportações do país aumentaram em julho e ficaram 18% maiores em relação ao mesmo período do ano anterior por conta dos reflexos da flexibilização das restrições da covid-19. Investidores ainda repercutem, também, os últimos dados de emprego dos Estados Unidos divulgados na sexta-feira. Os números do payroll vieram acima do esperado e aumentaram as perspectivas de que os juros norte-americanos seguirão avançando em ritmo agressivo, mas enfraqueceram a avaliação de que a maior economia do mundo estaria em recessão. "As expectativas de que o Fed possa anunciar outro aumento de 75 pontos-base na taxa de juros em 21 de setembro aumentaram devido ao forte relatório das folhas de pagamento de julho dos EUA. No final desta semana, espera-se que a divulgação da inflação do CPI dos EUA em julho mostre alguma moderação nas pressões inflacionárias", diz o Robobank em relatório. As informações são da Agência CMA. Confira a variação e pontuação dos índices europeus no fechamento: FTSE-100 (Londres): +0,57%, 7.482,37 pontos DAX-30 (Frankfurt): +0,84%, 13.687,69 pontos CAC-40 (Paris): +1,02%, 6.530,93 pontos FTSE MIB (Milão): +0,62%, 22.727,0 pontos IBEX-35 (Madri): +1,28%, 8.272,50 pontos SMI-20 (Zurique): +0,37%, 11.164,20 pontos PSI-20 (Lisboa): +1,35%, 6.158,70 pontos Yasmim Borges (yasmim.borges@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • CLIMA NA SEMANA: Mesmo com La Niña, clima é favorável no Brasil e EUA (vídeo)

    08/08 às 13:22 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - No vídeoClimanaSemana desta semana, o agrometeorologista da RuralClima, Marco Antônio dos Santos, fala como será o clima nesta semana nas regiões produtoras...

    Saiba Mais
    X

    CLIMA NA SEMANA: Mesmo com La Niña, clima é favorável no Brasil e EUA (vídeo)

    08/08 às 13:22 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - No vídeoClimanaSemana desta semana, o agrometeorologista da RuralClima, Marco Antônio dos Santos, fala como será o clima nesta semana nas regiões produtoras do Brasil e dos Estados Unidos. As indicações são de condições favoráveis às lavouras nesta semana, mesmo com a presença ainda do La Niña. A conversa écom o jornalista da Agência SAFRAS, Lessandro Carvalho. Confira nos links abaixo o vídeo, na Safras TV e no Youtube. Você também pode acompanhar o Clima na Semana em formato apenas de áudio/podcast, no último link do soundcloud: https://safras.com.br/safras-tv/ https://www.youtube.com/watch?v=783-0Y7ehT4 https://soundcloud.com/safras-mercado/mesmo-com-la-nina-clima-e-favoravel-no-brasil-e-eua Lessandro Carvalho (lessandro@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • EMPRESAS: Syngenta adquire a Agro Jangada

    08/08 às 13:21 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - A Syngenta Proteção de Cultivos anunciou hoje que entrou em um acordo para adquirir a Agro Jangada, distribuidora de insumos agrícolas localizado no Mato...

    Saiba Mais
    X

    EMPRESAS: Syngenta adquire a Agro Jangada

    08/08 às 13:21 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - A Syngenta Proteção de Cultivos anunciou hoje que entrou em um acordo para adquirir a Agro Jangada, distribuidora de insumos agrícolas localizado no Mato Grosso do Sul. Essa aquisição amplia o acesso a clientes, contando com as competências e presença da Agro Jangada em colaboração com a atual rede de distribuição. Acreditamos que é importante estarmos próximos dos agricultores, apoiando-os em suas necessidades por meio da garantia de acesso ao portfólio de nossos produtos e serviços. Com seus seis centros de distribuição, a Agro Jangada é um grande exemplo dos melhores distribuidores de nossa rede: altamente engajada, comprometida e capaz de contribuir para o sucesso dos agricultores brasileiros, afirma Juan Pablo Llobet, Diretor Regional da Syngenta Proteção de Cultivos na América Latina e no Brasil. A Agro Jangada continuará operando de forma independente sob sua própria marca. A conclusão da transação está sujeita à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), órgão brasileiro que regula fusões e aquisições. Os valores envolvidos não serão divulgados. As informações são da assessoria de imprensa. Yasmim Borges (yasmim.borges@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • PETRÓLEO: Futuros revertem perdas e sobem quase 1% motivados por mercado EUA

    08/08 às 12:45 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - Os preços dos contratos futuros de petróleo ganharam fôlego e reverteram as perdas de mais cedo, subindo 1% motivados pelo otimismo do mercado de ações dos...

    Saiba Mais
    X

    PETRÓLEO: Futuros revertem perdas e sobem quase 1% motivados por mercado EUA

    08/08 às 12:45 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - Os preços dos contratos futuros de petróleo ganharam fôlego e reverteram as perdas de mais cedo, subindo 1% motivados pelo otimismo do mercado de ações dos Estados Unidos, que digerem os números recentes de empregos e acreditam que o país está longe de uma recessão. Apesar da alta surpreendente no número de vagas abertas em julho, divulgado na sexta-feira, ter dado sinal verde para mais um aumento agressivo do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), muitos investidores estão vendo pelo lado bom a situação, indicando que a economia do país está forte o suficiente para aguentar o aperto. Isso motiva o apetite por risco, elevando os preços do barril. Mais cedo, o petróleo vinha caindo depois de números decepcionantes da economia chinesa. A China, o maior importador de petróleo do mundo, importou 8,79 milhões de barris por dia (bpd) de petróleo em julho, acima da mínima de quatro anos em junho, mas ainda 9,5% menor do que há um ano, mostraram dados alfandegários. As refinarias chinesas reduziram os estoques em meio aos altos preços do petróleo e margens domésticas fracas, mesmo com as exportações gerais do país ganhando força. Refletindo a menor demanda de gasolina nos Estados Unidos, e à medida que a estratégia de zero covid-19 da China impulsiona ainda mais a recuperação, o ANZ revisou para baixo suas previsões de demanda de petróleo para 2022 e 2023 em 300 mil bpd e 500 mil bpd, respectivamente. Estima-se agora que a demanda por petróleo para 2022 aumentará 1,8 milhão de bpd ano a ano e se estabelecerá em 99,7 milhões de bpd, pouco abaixo das máximas pré-pandemia, disse o banco. As exportações russas de petróleo e derivados continuaram a fluir apesar de um embargo iminente da União Europeia que entrará em vigor em 5 de dezembro. Nos Estados Unidos, as empresas de energia reduziram o número de plataformas de petróleo na última semana desde setembro, a primeira queda em 10 semanas. Por fim, também pesando contra o petróleo, o setor de energia limpa dos Estados Unidos recebeu um impulso depois que o Senado aprovou no domingo um projeto de lei de US$ 430 bilhões destinado a combater as mudanças climáticas, entre outras questões. Há pouco, o preço do contrato do petróleo WTI negociado na Nymex com entrega para setembro subia 1,52%, cotado a US$ 90,44 o barril. Já o preço do contrato do Brent negociado na plataforma ICE, com entrega para outubro avançava 1,65%, cotado a US$ 96,47 o barril. As informações partem da Agência CMA. Revisão: Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) - Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • PETRÓLEO: FUTUROS REVERTEM PERDAS E SOBEM QUASE 1% MOTIVADOS POR MERCADO EUA

    08/08 às 12:39 hs

    Aguarde mais informações ...

    Saiba Mais
    X

    PETRÓLEO: FUTUROS REVERTEM PERDAS E SOBEM QUASE 1% MOTIVADOS POR MERCADO EUA

    08/08 às 12:39 hs

    Aguarde mais informações

  • EMPRESAS: Aviagen investe R$ 250 milhões para impulsionar cadeia produtiva de aves

    08/08 às 12:18 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - Recentemente, a Aviagen, empresa de genética de aves que comercializa aves sob a marca Ross, anunciou investimentos para o impulsionamento da cadeia produtiva ...

    Saiba Mais
    X

    EMPRESAS: Aviagen investe R$ 250 milhões para impulsionar cadeia produtiva de aves

    08/08 às 12:18 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - Recentemente, a Aviagen, empresa de genética de aves que comercializa aves sob a marca Ross, anunciou investimentos para o impulsionamento da cadeia produtiva de aves. O aporte, no valor de R$ 250 milhões, tem como objetivo aumentar a capacidade de produção de matrizes no Brasil, maior exportador mundial de carne de frango. Denominado Projeto de Expansão 4, eleva os investimentos da empresa para um total de R$ 510 milhões nos últimos 5 anos e agrega 4 milhões de matrizes/ano à atual capacidade de produção. O projeto inclui a construção de uma nova granja para a produção de matrizes no estado de São Paulo, além da ampliação dos incubatórios de Carambeí (PR) e Rio Claro (SP). Os investimentos contemplam ainda a reforma na fábrica de ração da empresa em Itaí (SP) para melhorar a produtividade, aumentar a capacidade de armazenagem e atender a todas as novas unidades, além de uma nova fábrica de maravalha (raspa da madeira, resíduo de beneficiamento que é usado como substrato em cama para aviários). A nova granja para a produção de matrizes terá os mais modernos equipamentos e ambiência controlada, seguindo também os padrões de conectividade implementados pela empresa em todo o sistema produtivo. Já os incubatórios de Carambeí e Rio Claro aumentarão a produtividade através de novas incubadoras de estágio único de alta tecnologia. Além do foco na expansão da avicultura, a empresa também investe em pesquisas e no desenvolvimento genético, a fim de entregar animais mais sustentáveis e resistentes. O comprometimento da Aviagen com o meio ambiente vai além da sua atividade. Prova disso foi o investimento da empresa em um dos maiores programas de proteção ambiental da Amazônia e da sua população. Ao Fundo JBS pela Amazônia, projeto apoiado pela empresa desde maio de 2021, foram destinados R$ 1,5 milhão, com o intuito de assegurar um futuro melhor para o planeta e a população. O relatório dos resultados iniciais do Fundo JBS pela Amazônia, que terá seus resultados iniciais ainda no mês de agosto, apoia diversos projetos que visam atividades viáveis economicamente e que promovam o uso sustentável dos recursos da floresta, a melhoria da qualidade de vida da população nativa, assim como o desenvolvimento da região com o uso de tecnologia e ciência aplicada. As informações partem da assessoria de imprensa da Aviagen. Revisão: Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • CÂMBIO: Alta das commodities e maior apetite global ao risco fortalecem real

    08/08 às 12:04 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - O dólar segue em queda. A moeda é impactada diretamente pela baixa aversão global ao risco e a alta das commodities, o que fortalece não apenas o real, mas ...

    Saiba Mais
    X

    CÂMBIO: Alta das commodities e maior apetite global ao risco fortalecem real

    08/08 às 12:04 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - O dólar segue em queda. A moeda é impactada diretamente pela baixa aversão global ao risco e a alta das commodities, o que fortalece não apenas o real, mas também seus pares. Para o head de análise macroeconômica da GreenBay Investimentos, Flávio Serrano, "o movimento é de risk on, com a recuperação no preço das commodities. O cenário internacional aponta para uma valorização das emergentes e o dólar está voltando para o patamar justo, que é cerca de R$ 5,10". De acordo com o boletim da Ajax Capital, "em semana de dados de inflação nos Estados Unidos, que podem validar apostas mais agressivas no ciclo de alta de juros do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), mercados seguem escalando o muro das incertezas, com commodities e bolsas em alta, apoiados pelas quedas nas taxas de juros, com os investidores precificando que a recessão que se aproxima será suficiente para controlar a elevada inflação atual". A Ajax destaca que o real segue o movimento dos seus pares emergentes ligados às commodities, e se valoriza neste início de sessão. Por volta das 11h54 (horário de Brasília), o dólar comercial caía 0,73%, cotado a R$ 5,1300 para venda. No mercado futuro, o contrato da moeda norte-americana com vencimento em setembro de 2022 recuava 0,71%, cotado a R$ 5.166,00. As informações são da Agência CMA. Revisão: Sara Lane (sara.silva@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • EMPRESAS: Tyson Foods aumenta estimativas de receita com alta do frango

    08/08 às 12:02 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - A receita trimestral da Tyson Foods superou as estimativas de analistas, com a alta nos preços do frango. Ainda assim, o lucro por ação ficou abaixo das esti...

    Saiba Mais
    X

    EMPRESAS: Tyson Foods aumenta estimativas de receita com alta do frango

    08/08 às 12:02 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - A receita trimestral da Tyson Foods superou as estimativas de analistas, com a alta nos preços do frango. Ainda assim, o lucro por ação ficou abaixo das estimativas, fazendo com que as ações caíssem. O lucro ajustado foi de US$ 1,94 no trimestre. As vendas no setor de frango da Tyson foram de US$ 4,37 bilhões, um aumento de 25% em relação ao ano anterior e alta de 20,1% nos preços. Segundo informações da Agência Reuters, a Tyson disse que aumentou os preços do produto para compensar o aumento da inflação. Os custos de produção aumentaram e a empresa investiu US$ 145 milhões em ingredientes. "A reviravolta do nosso negócio de frango continua", disse o presidente-executivo Donnie King. Os preços médios de venda da carne bovina da Tyson caíram 1,2% no trimestre, à medida que a demanda por cortes premium diminuiu. Apesar disso, o volume de vendas de carne bovina, o maior segmento da empresa, aumentou 1,3%. A unidade registrou margem operacional ajustada de 10,2%, ante 12,7% no trimestre anterior e 22,6% em comparação anual. No setor de carne suína, os volumes de vendas e os preços da Tyson caíram, em meio à redução da demanda de exportação e varejo. A empresa ajustou sua previsão de margens operacionais para 3% a 5% no ano fiscal de 2022, de uma estimativa anterior de 5% a 7%. Pedro Carneiro (pedro.carneiro@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • CARNES: China importa 643 mil toneladas em julho

    08/08 às 12:00 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - A China, maior compradora de carne do mundo, importou 643 mil toneladas em julho, mostraram dados da Administração Geral de Alfândegas. As importações...

    Saiba Mais
    X

    CARNES: China importa 643 mil toneladas em julho

    08/08 às 12:00 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - A China, maior compradora de carne do mundo, importou 643 mil toneladas em julho, mostraram dados da Administração Geral de Alfândegas. As importações de carne em julho caíram 24,7% em relação ao mesmo mês do ano anterior, mas aumentaram 6,6% em relação a junho de 2022. Enquanto isso, as importações de carne de janeiro a julho foram de 4,1 milhões de toneladas, queda de 30,9% em relação ao ano anterior, segundo a alfândega da China. Com informações da Agência Reuters. Pedro Carneiro (pedro.carneiro@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • PETRÓLEO: Futuros operam em queda após tentar recuperação

    08/08 às 11:45 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - Os preços dos contratos futuros de petróleo operam em queda após tentarem uma recuperação com as altas do mercado de ações dos Estados Unidos, que não f...

    Saiba Mais
    X

    PETRÓLEO: Futuros operam em queda após tentar recuperação

    08/08 às 11:45 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - Os preços dos contratos futuros de petróleo operam em queda após tentarem uma recuperação com as altas do mercado de ações dos Estados Unidos, que não foram fortes o suficiente para contrapor totalmente os temores de recessão que puxam para baixo os preços. "Os temores de recessão prejudicaram as perspectivas de demanda e os dados apontaram para uma lenta recuperação nas importações de petróleo da China no mês passado", afirmam analistas do ING. A China, o maior importador de petróleo do mundo, importou 8,79 milhões de barris por dia (bpd) de petróleo em julho, acima da mínima de quatro anos em junho, mas ainda 9,5% menor do que há um ano, mostraram dados alfandegários. As refinarias chinesas reduziram os estoques em meio aos altos preços do petróleo e margens domésticas fracas, mesmo com as exportações gerais do país ganhando força. Refletindo a menor demanda de gasolina nos Estados Unidos, e à medida que a estratégia de zero covid-19 da China impulsiona ainda mais a recuperação, o ANZ revisou para baixo suas previsões de demanda de petróleo para 2022 e 2023 em 300 mil bpd e 500 mil bpd, respectivamente. Estima-se agora que a demanda por petróleo para 2022 aumentará 1,8 milhão de bpd ano a ano e se estabelecerá em 99,7 milhões de bpd, pouco abaixo das máximas pré-pandemia, disse o banco. As exportações russas de petróleo e derivados continuaram a fluir apesar de um embargo iminente da União Europeia que entrará em vigor em 5 de dezembro. Nos Estados Unidos, as empresas de energia reduziram o número de plataformas de petróleo na última semana desde setembro, a primeira queda em 10 semanas. Por fim, também pesando contra o petróleo, o setor de energia limpa dos Estados Unidos recebeu um impulso depois que o Senado aprovou no domingo um projeto de lei de US$ 430 bilhões destinado a combater as mudanças climáticas, entre outras questões. Por volta de 11h36 (horário de Brasília), o preço do contrato do petróleo WTI negociado na Nymex com entrega para setembro caía 0,49%, cotado a US$ 88,56 o barril. Já o preço do contrato do Brent negociado na plataforma ICE, com entrega para outubro regredia 0,22%, cotado a US$ 94,71 o barril. As informações são da Agência CMA. Revisão: Sara Lane (sara.silva@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • LOGISTICA: Congresso Nacional aprova Medida Provisória voltada à reciclagem de caminhões

    08/08 às 10:48 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - A Medida Provisória nº 1.112/2022, que institui o Programa de Aumento da Produtividade da Frota Rodoviária no país - Programa Renovar - foi aprovada pelo Se...

    Saiba Mais
    X

    LOGISTICA: Congresso Nacional aprova Medida Provisória voltada à reciclagem de caminhões

    08/08 às 10:48 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - A Medida Provisória nº 1.112/2022, que institui o Programa de Aumento da Produtividade da Frota Rodoviária no país - Programa Renovar - foi aprovada pelo Senado Federal na quarta-feira (3/8) e pela Câmara dos Deputados na terça-feira (2/8). A ação é uma iniciativa do Ministério da Economia, que pretende estimular de forma voluntária a retirada de circulação de veículos que não atendam aos parâmetros técnicos de rodagem e com idade acima de 30 anos. O texto segue agora para sanção. O programa tem como objetivo o aumento da produtividade, da competitividade e da eficiência da logística no país, além da melhoria da qualidade de vida dos profissionais de transporte e da sociedade em geral, com mais segurança nas estradas e menor emissão de gases no meio ambiente. A implantação do Renovar ocorrerá por etapas e será coordenada pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). Os transportadores autônomos de cargas e os associados das cooperativas de transporte de carga terão prioridade de acesso aos benefícios. De acordo com a Secretaria Nacional de Trânsito do Ministério da Infraestrutura existem mais de 3,5 milhões de caminhões em circulação no Brasil e, desse total, cerca de 26% possuem mais de 30 anos de fabricação. A adesão ao programa é totalmente voluntária, e os interessados em realizar a baixa de seus caminhões, ônibus ou implementos rodoviários deverão comprovar a baixa definitiva do registro do bem elegível e de seu desmonte ou destruição, como sucata. O Renovar é uma iniciativa que integra ações público-privadas. A União oferecerá recursos para a recompra dos caminhões em final de vida útil. Em contrapartida, o setor privado poderá ofertar, de maneira complementar aos benefícios públicos, produtos e serviços (crédito cooperativado, garantia estendida, revisões, seguros, consórcios etc.) que poderão ser usufruídos pelos beneficiários do programa na aquisição de veículos novos. As informações partem do Ministério da Economia. Arno Baasch (arno@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • CÂMBIO: DÓLAR RECUA 1,19% E É COTADO A R$ 5,1060

    08/08 às 10:44 hs

    Aguarde mais informações ...

    Saiba Mais
    X

    CÂMBIO: DÓLAR RECUA 1,19% E É COTADO A R$ 5,1060

    08/08 às 10:44 hs

    Aguarde mais informações

  • MERCADO EUROPA: Ações operam em alta de olho em dados econômicos e resultados corporativos

    08/08 às 10:21 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - Os principais índices de ações do mercado europeu operam em alta nesta segunda-feira, à medida que investidores avaliam os últimos dados econômicos e os r...

    Saiba Mais
    X

    MERCADO EUROPA: Ações operam em alta de olho em dados econômicos e resultados corporativos

    08/08 às 10:21 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - Os principais índices de ações do mercado europeu operam em alta nesta segunda-feira, à medida que investidores avaliam os últimos dados econômicos e os resultados das empresas da Europa enquanto monitoram as perspectivas de recessão global. Setores economicamente sensíveis, como mineração, serviços financeiros e automóveis, lideram os ganhos de hoje. As ações de tecnologia voltadas para o crescimento também aumentaram, com um valor de 1,2%. Os lucros corporativos continuam a impulsionar o movimento individual dos preços das ações na Europa, com Siemens Energy, Porsche e BioNTech entre as empresas que reportaram seus resultados. Na frente de dados na Europa, o índice de sentimento econômico Sentix de agosto para a zona do euro subiu levemente em relação ao mês anterior, mas ainda apontou para uma alta probabilidade de recessão em todo o bloco. O foco agora está nos números inflação dos Estados Unidos na quarta-feira. Os mercados se assustaram na sexta-feira passada depois que dados mostraram um grande salto no emprego no país, diminuindo as esperanças de que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) possa ser mais contido no aumento de juros. "Embora seja verdade que o mercado de trabalho dos EUA parece forte, os dados de sexta-feira são muito retrovisores e, embora mostrem que a economia dos EUA continua resiliente, não significa necessariamente que o copo esteja meio cheio", diz o analista da CMC Markets, Michael Hewson. Confira abaixo a variação e a pontuação dos índices europeus por volta das 10h10 (horário de Brasília): FTSE-100 (Londres): +0,75%, 7.495,63 pontos DAX-30 (Frankfurt): +1,02%, 13.712,30 pontos CAC-40 (Paris): +1,20%, 6.542,58 pontos FTSE MIB (Milão): +0,80%, 22.768,6 pontos IBEX-35 (Madri): +0,99%, 8.248,60 pontos SMI-20 (Zurique): +0,61%, 11.190,70 pontos PSI-20 (Lisboa): +1,16%, 6.147,29 pontos As informações são da Agência CMA. Revisão: Sara Lane (sara.silva@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

  • CÂMBIO: Dólar cai, impactado por bom humor global e valorização das commodities

    08/08 às 09:46 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - O dólar abriu em queda. A moeda segue o movimento global de bom humor, com o mercado aguardando novos indícios que o Federal Reserve (Fed, o banco central nor...

    Saiba Mais
    X

    CÂMBIO: Dólar cai, impactado por bom humor global e valorização das commodities

    08/08 às 09:46 hs

    Porto Alegre, 8 de agosto de 2022 - O dólar abriu em queda. A moeda segue o movimento global de bom humor, com o mercado aguardando novos indícios que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) terá de ser mais hawkish (duro, propenso ao aumento dos juros) na reunião de setembro. Com a alta das commodities, o real ganha força. De acordo com o boletim da Ajax Capital, "em semana de dados de inflação nos Estados Unidos, que podem validar apostas mais agressivas no ciclo de alta de juros do Fed, mercados seguem escalando o muro das incertezas, com commodities e bolsas em alta, apoiados pelas quedas nas taxas de juros, com os investidores precificando que a recessão que se aproxima será suficiente para controlar a elevada inflação atual". A Ajax destaca que o real segue o movimento dos seus pares emergentes ligados às commodities, e se valoriza neste início de sessão. Por volta das 9h40 (horário de Brasília), o dólar comercial caía 0,63%, cotado a R$ 5,1350 para venda. No mercado futuro, o contrato da moeda norte-americana com vencimento em setembro de 2022 recuava 0,61%, cotado a R$ 5.171,00. As informações são da Agência CMA. Revisão: Sara Lane (sara.silva@safras.com.br) / Agência SAFRAS Copyright 2022 - Grupo CMA

Tel.: +55(31) 3292-3155 | contato@souzalimacorretora.com.br

Av. Raja Gabáglia 2.000, sala 327 Torre 1 Estoril/ Belo Horizonte - MG, Brasil / CEP: 30494-170